Informe Ambiental 10  
30/04/10

16 a 30 de Abril 2010

Setor Agrícola

Usina Açucareira Furlan S/A.

Agro-Pecuária Furlan S/A.

Mais cana com menos queima

Estudo do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais indica expansão da cana-de-açúcar no Estado de São Paulo entre 2003 e 2009 e destaca que, pela primeira vez, mais da metade da colheita foi realizada sem a queima da palha.

O Estado de São Paulo registrou, nos últimos anos, uma rápida expansão na produção de cana-de-açúcar, em consequência principalmente do aumento da demanda por etanol para atender ao mercado de veículos flex no país.

O dado mais expressivo – do ponto de vista ambiental – é que pela primeira vez mais da metade da colheita foi realizada sem queima.

De acordo com Bernardo Rudorff, pesquisador do Inpe, se o ritmo for mantido, a meta estabelecida pelo Protocolo

Agroambiental do Setor Sucroalcooleiro, assinado em 2007 entre o Governo do Estado de São Paulo e a União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica) – que prevê a eliminação gradativa da queima da cana-de-açúcar até 2017 –, será cumprida, mesmo com a expansão da produção. Para as áreas com declive inferior a 12%, que permite a mecanização da colheita, o prazo termina em 2014.

Compromisso com a Sociedade e o Meio Ambiente

A UNICA, representando a indústria paulista produtora de açúcar, etanol e bioeletricidade e o Governo do Estado de São Paulo, assinaram, no dia 4 de junho de 2007 e renovadas em 2010, o Protocolo Agroambiental do Setor Sucroalcooleiro. Esse Protocolo, de adesão voluntária, onde todas as usinas do estado assinaram, estabeleceu uma série de princípios e diretivas técnicas, de natureza ambiental, a serem observadas pelas indústrias da cana-de-açúcar.

Além da queima controlada da palha de cana, o Protocolo dispõe sobre outros temas de enorme relevância, como: conservação do solo e dos recursos hídricos, proteção de matas ciliares, recuperação de nascentes, redução de emissões atmosféricas e cuidados no uso de defensivos agrícolas. A indústria sucroenergética paulista reforça, com esse Protocolo, a sua posição em defesa da sustentabilidade, nas suas dimensões ambiental, social e econômica.

“Não sou do tamanho da minha altura, mas da estrutura daquilo que posso ver”

Fernando Pessoa.

Fonte

: O Estado de S. Paulo Online , ÚNICA, CanaMix.
« Voltar